A chefe da Secretaria de participação, Acessibilidade e Inclusão Social (SPAIS), Elza da Silva Carlos, popularmente conhecida como Elzinha, se envolveu em uma nova polêmica.

A secretária é acusada de ameaçar e assediar funcionários de sua secretaria. De acordo com pessoas que procuraram a nossa equipe, Elzinha tem dado ordens claras para fraudar diversos documentos e ameaça funcionários de sua secretaria e de outras que não cumprem suas ordens, mesmo que sejam ilegais.

Um exemplo disso são os conselhos que a secretaria dela coordena. Segundo a denúncia, Elza tem manipulado eleições para que pessoas com quem ela tem desafeto, não participem, mesmo que pra isso tenha que ameaçar funcionários.

Continua Após a Publicidade

O assédio é tão escancarado que Elza sequer tem medo ou receio de comentar em grupos onde existem diversas autoridades do município. Pressiona outros secretários que a apoiem em suas arbitrariedades.

No entanto, até mesmo secretários de outras pastas enfrentam problemas com ela. “tá na hora dessa mulher sair daqui, ninguém mais aguenta ela. Ela arruma problema com todo mundo, xinga todo mundo”, disse uma pessoa do alto escalão da prefeitura.

Em 2017, a secretária fingiu que havia sido vítima de racismo em um debate que ocorreu na Câmara Municipal da cidade. Elzinha só não percebeu que estava em uma transmissão ao vivo e tudo foi flagrado. Ela foi condenada pela justiça a pagar R$ 5 mil ao homem que ela acusou falsamente. Ela recorreu, e perdeu novamente.

Uma outra pessoa que tem ameaçado em nome de Elzinha é Vitor de Oliveira Lopes. Lopes sequer trabalha na secretaria administrada por Elza, mas tem ligado para funcionários “querendo entender” o motivo de não seguirem a ordem da secretária, e são ameaçados de demissão e transferência.

“Ela age como se fosse uma capitã do mato. Ela diz que luta pelas minorias, mas na verdade está lutando só por ela mesmo. Se ainda tivesse escravidão no Brasil, ela com certeza se uniria com a casa grande para chicotear os outros”, desabafou um denunciante.

Procuramos a Prefeitura de Ribeirão Pires para questionar sobre o ocorrido, mas nossos questionamentos não foram respondidos.