Na última sexta (27), o debate que tinha como tema: “Por que (RE)bater a escola sem partido?”, organizado pela União da Juventude Socialista (UJS), causou polêmica e confusão na Câmara Municipal de Ribeirão Pires.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A secretária de Participação, Acessibilidade e Inclusão Social, Elza da Silva Carlos, a Elzinha, participou do evento e se posicionou contra o projeto. Membros de um movimento conservador chamado “Direita São Paulo” também estiveram presentes e se posicionaram como oposição ao pensamento da maioria.

A confusão se iniciou quando o grupo proferiu falas incisivas a favor do projeto, causando revolta na maioria. O desentendimento tomou proporções maiores e foi para o âmbito de política nacional e futuras eleições quando este mesmo grupo declarou que votaria em Jair Bolsonaro (PSC) e gritaram: “Bolsonaro 2018”, gerando um enorme tumulto entro todos os presentes.

Em meio a isso, a secretária Elzinha alegou ter sido vítima de ofensas racistas por um dos membros do grupo de direita, e chegou a chorar nas cadeiras da Câmara. Por conseguinte, o debate foi encerrado.

O grupo Direita São Paulo foi até a delegacia de Ribeirão Pires fazer um Boletim de Ocorrência (B.O) alegando que a secretária teria feito uma acusação falsa contra eles. Por parte da secretária, compareceu também a Delegacia e efetuou, também, o Boletim que alega racismo.

Procurada por nossa equipe, a UJS não se manifestou sobre o incidente.