O chamado ‘desafio da rasteira’ ficou muito popular entre os jovens no final do ano passado e no começo deste, e consiste em dar uma rasteira enquanto a vítima da ‘brincadeira’ pula, sendo geralmente composta por três pessoas, duas de cada lado que são responsáveis por derrubar o individuo que está meio.

Em resposta, algumas pessoas se mobilizaram para impedir que a tal brincadeira se espalhe, como por exemplo, alguns alunos da Associação do Judô de Mauá, em que as crianças se posicionam contra o perigoso desafio. Na gravação os alunos simulam o início do desafio, mas ao invés disso, eles levantam placas em que juntas formam a frase: “Campanha – Isso não é brincadeira”.

A Sociedade Brasileira de Neurologia (SBN), já alertou aos pais sobre os riscos da tal novidade, que podem causar lesões irreversíveis ou até mesmo a morte, como a aconteceu em um caso no Rio Grande do Norte, em que uma adolescente de 16 anos faleceu após ter batido a cabeça no chão e sofrido um traumatismo craniano.

Continua Após a Publicidade