Criança teve convulsão antes de entrar na escola. (Foto: Caroline Leme/DiárioRP)

Na manhã desta terça-feira, por volta das 7h, um menino de 10 anos sofreu uma convulsão em frente a escola Lavínia de Figueiredo Arnoni, onde estuda.

O SAMU (Serviço de Atendimento Médico de Urgência) foi chamado pelos populares presentes e a diretora da escola ligou para os Bombeiros. Passados 20 minutos de espera, nenhum dos serviços de emergência chegou para prestar socorro.

continua após a publicidade
Menino foi levado em veículo particular depois de 20 minutos de espera pelo serviço de emergência que não chegou. (Foto: Caroline Leme/DiárioRP)

Segundo a mãe, o menino que nunca havia apresentado crises convulsivas, passou por exames após ser levado pelos responsáveis ao hospital.

O responsável pelo suporte básico de emergências em Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra é o SAMU regional de Mauá. De acordo com o órgão, o processo de atendimento passa por uma triagem, onde é estabelecida a prioridade e o procedimento vai para o setor que aciona as ambulâncias.Todo esse processo demoraria, em média, de 2 a 3 minutos.

Apenas a Defesa Civil esteve no local após 24 minutos do chamado. O coordenador do serviço, César Eduardo, informou que o procedimento segue uma hierarquia, onde eles são acionados diretamente pelo SAMU dependendo da situação. No entanto, caso a população entre em contato através dos números 199 ou 4825-1830 o tempo de resposta é de aproximadamente 10 minutos, dependendo do local.

No caso do menino, em contato com a regional de Mauá, foi questionado o motivo do não envio de ambulância uma vez que segundo as diretrizes do próprio serviço, o SAMU deve ser acionado em casos de problemas com desmaio e convulsão.

Não houve resposta do SAMU regional de Mauá até o fechamento desta matéria.