O corretor de imóveis Carlos Antonio dos Santos, 50, morador da cidade, foi um dos alvos da operação de busca e apreensão expedido pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, na última terça-feira (16), sob a acusação de disseminação de fake news.

\"CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE\"

Carlos foi surpreendido pela Polícia Federal na porta de sua residência às 6h da manhã. Em entrevista ao jornal O Globo, Santos disse que “foi pego como bode expiatório” e “que suas postagens foram feitas de forma espontânea”. O corretor fazia postagens em grupos do Facebook e, em sua conta pessoal, compartilhou uma foto do ministro Dias Toffoli, atual presidente do STF, com os dizeres “mais um escândalo”. A legenda da imagem fazia uma acusação de que Toffoli seria “suspeito de ligação com investigados da Lava-Jato”. O morador de Ribeirão, que teve dois celulares apreendidos, disse que não fará mais postagens por medo de represália.

Em março deste ano, Dias Toffoli abriu um inquérito para investigar possíveis fake news e difamações consideradas caluniosas contra os ministros da Corte. Na última terça-feira, a Procuradora-Geral, Raquel Dodge, enviou um ofício ao STF onde arquivava o inquérito, mas o ministro Alexandre de Moraes decidiu manter o inquérito aberto. Dodge chegou a pedir esclarecimentos e sugeriu que o STF extrapolou suas atribuições.