Um centro de Triagem que continha animais que foram resgatados no último domingo (17) foi alvo de protestos nas tardes da última terça-feira(19) e desta quarta (20). O centro fica na região do bairro de Ouro Fino, em Ribeirão Pires.

Continua após a Publicidade

Os animais presentes no local foram resgatados de um canil no município de Piedade por suspeitas de maus-tratos. No local onde viviam os animais antes do resgate foram encontradas diversas irregularidades, como um incinerador de animais, despejo irregular de esgoto não tratado, e também medicamentos vencidos. A proprietária assinou um termo doando todos os animais para o instituto que leva o nome da apresentadora Luisa Mell.

Continua Após a Publicidade

O fato gerou repercussão nacional e diversos protetores prestaram apoio à Luisa. No entanto, a classe de criadores também de manifestou sobre o caso, mas contra o instituto Luisa Mell, e colocou questionamentos sobre a atuação da Organização Não Governamental.

Na terça, um grupo com cerca de 40 criadores protestou em frente ao local de triagem. A polícia teve que ser chamada para apaziguar os ânimos. De acordo com pessoas ligadas ao instituto, houve tentativa de arrombamento de um dos portões e um outro teria sido incendiado. A apresentadora e Presidente da ONG, também postou em suas redes sociais afirmando que havia sido ameaçada de morte pelos criadores de animais e teve que sair escoltada por policiais militares. Nesta quarta, um segundo protesto, mais fraco contou com cerca de dez criadores, que compareceram em frente ao centro, mas logo se retiraram. Após o primeiro protesto, todos os animais foram levados a outro local.

Em entrevista à nossa equipe, um dos criadores afirmou que o que eles querem é que a ONG tenha mais transparência e mostre para onde os animais estão indo, além de informar também onde que o dinheiro é gasto. Outro criador chegou a acusar que o instituto poderia estar vendendo os animais de raça e levando apenas vira-latas para as feiras de adoção.

Procurado por nossa equipe, o Instituto Luisa Mell informou que não vende nenhum animal, não cobra taxa de adoção e que as acusações são uma tática de desqualificar as ações do instituto por conta do prejuízo econômico que está causando aos criadores de animais. O Instituto também informou que tem auditoria externa e que especificamente para esta ação, está fechando uma parceria com uma outra empresa de auditoria, renomada mundialmente, para que não fique nenhuma dúvida sobre o caso e, que no momento certo será divulgado o balanço. Sobre o resgate, informou que ainda estão estabilizando os animais, já que não faz nem 72 horas que os animais foram resgatados e que fotos falsas também estão circulando como se fossem dos animais resgatados, também na tentativa de desqualificar o trabalho da ONG.