A Câmara de Rio Grande da Serra aprovou nesta quarta-feira (30), a permissão para que Gabriel maranhão (Sem partido), atual prefeito da cidade, possa retirar o município do Consórcio Intermunicipal do Grande ABC. O projeto, na verdade, não retira imediatamente o município, mas dá autonomia para que Maranhão possa retirá-lo a qualquer momento, sem ter que solicitar previamente à Câmara da cidade. Somente os vereadores Akira Ono Auriane (PSB) e Benedito (PT) foram contrários ao projeto.

A atitude de Maranhão é considerada um tiro no pé por muitos políticos da região, já que a saída do consórcio se dá após Maranhão ter sido expulso do PSDB, depois de brigar com a alta cúpula do partido e com o Prefeito de São Bernardo do Campo, e atual presidente da entidade, Orlando Morando (PSDB). Além disso, Rio Grande da Serra vem recebendo diversos benefícios por conta das negociações do Consórcio Intermunicipal, como o PAC 2 Mobilidade, que trouxe cera de 40 milhões para e região, plano de drenagem, que trará 3 milhões para Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra, e o Plano Intermunicipal de Turismo, que possibilitou a inscrição da cidade como Município de Interesse Turístico (MIT), o que gera estranheza ainda maior pela atitude do prefeito.

Para o Vereador Akira, Maranhão está equivocado por colocar os interesses particulares acima dos da cidade:

“Eu acredito que o País hoje passa por essa situação nacional por conta desse tipo de política, que coloca os interesse próprios acima da população. Além disso, o fato do Gabriel não ter vínculo com a região e nem com a cidade faz com que ele não dê importância pro Consórcio do Grande ABC. São vários projetos desde sua fundação, em 1990, que nem com todo o dinheiro junto, as prefeituras conseguiriam realizar tantas ações como é feito até hoje”, informou.