Greve dos caminhoneiros, chega ao seu 5° dia

Nove das 11 entidades presentes aceitaram a proposta do Executivo, que prevê prazo de 30 dias para reajustes no preço do diesel. Esta era uma das principais demandas dos caminhoneiros, que queriam mais previsibilidade nos reajustes. Mesmo assim, protestos seguem em 24 Estados do País, e os problemas começam a surgir.

Continua após a publicidade.

Três aeroportos – São José dos Campos (São Paulo), Ilhéus (na Bahia) e Carajás (Pará), estão sem combustível.  O acesso ao porto de Santos continua bloqueado e a capital paulista não tem rodízio e nem coleta de lixo. Nesta manhã, os condutores de vans escolares se juntaram aos caminhoneiros e também protestam em São Paulo.

Segundo o anúncio do ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha (MDB), as entidades se comprometeram a suspender os protestos por quinze dias em troca da prorrogação do desconto de 10% no diesel para um mês. No entanto, nem todas as lideranças presentes assinaram e os bloqueios continuam.

As reservas de querosene de aviação no Aeroporto Internacional Juscelino Kubitscheck, em Brasília, acabaram na manhã desta sexta-feira, 25, segundo a concessionária Inframerica. Dois voos precisaram ser cancelados no início desta manhã.