O Diário de Ribeirão Pires segue buscando informações sobre o andamento da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde, que é um dos assuntos no qual a população tem mais interesse em ver um desfecho positivo.

Solicitada desde a legislatura passada pelo então vereador Renato Foresto (PT), e divulgada pelo atual presidente da Câmara, Rubens Fernandes, o Rubão (PSD), em Setembro do ano passado após uma série de idas e vindas, Paixão (PPS) foi escolhido como presidente, contando com Amaury Dias (PV) como relator e Rogério do Açougue (PSB) como membro da comissão. Após alguns meses sem nenhum andamento, Amaury Dias declinou da Comissão em Março deste ano, afirmando que na verdade a CPI nem existe, pois não há sequer um documento para que ela possa ser efetivamente iniciada. À época, Amaury disse que tomou essa atitude para ver se os seus companheiros pudessem realmente iniciar a CPI depois dele ter exposto os fatos.

Mesmo com todo este imbróglio, o DiárioRP entrou em contato com Rogério do Açougue para saber como está o andamento da CPI e se existe alguma novidade.

novidade. “Infelizmente está estagnada. Eu me reuni com o Paixão e pretendo me encontrar hoje (09) com o jurídico para tentar dar algum andamento, mas não está fácil”, disse o relator da comissão.

A CPI tem por objetivo investigar contratos e ações realizadas pela Prefeitura de Ribeirão Pires, focando nas gestões de Clóvis Volpi e Saulo Benevides (ambos sem partido) e Adler Kiko Teixeira (PSB), de 2009 até 2017.

Os Vereadores Paixão e Rubão não responderam nossos contatos.