Quando vejo um relatório de um Tribunal de Contas ordenando que um prefeito corrija o Planejamento das Políticas Públicas, o ensino, saúde, licitações, atendimento à Lei orgânica, irregularidade em cargos comissionados, pare de pagar horas extras para comissionados e que busque equilíbrio financeiro e orçamentário nas contas futuras, eu me pergunto: Como que uma pessoa dessa tem a coragem de sair de casa e dizer que administra uma cidade?

Cá entre nós, se eu fosse o prefeito de Rio Grande da Serra, Gabriel Maranhão (PSDB), eu renunciaria ao meu mandato imediatamente. O último relatório do Tribunal de Contas mostra a completa incapacidade de Maranhão e de sua equipe em administrar uma cidade. Nem a verba do FUNDEB o peessedebista investiu.

O que acontece em Rio Grande da Serra é que o antigo modo de fazer política é regra. Não há como dizer que pessoas são bem intensionadas quando o homem público pensa somente em crescer na política e esquece de, primeiro, fazer para o que foi eleito, que é ajudar e representar as pessoas que o elegeram.

Maranhão já perdeu a mão de seu mandato catastrófico, e atualmente é campeão em fazer errado e passar vergonha. Um exemplo disso, é que foi considerado um dos piores prefeitos de todo o estado de São Paulo de acordo com um ranking divulgado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE).

E pra piorar, o homem tem a cara de pau de ir a público e dizer que está tudo muito bem.

Torço muito para que Rio Grande da Serra tenha um prefeito e vereadores que realmente pensem na cidade e nos moradores dela, pois a atual classe política, por diversas vezes demonstrou que está mais preocupada com o próprio umbigo no que com o bem comum dos cidadãos da cidade. O que eu acho estranho é que Maranhão e sua equipe não cansam de passar vergonha.