O ex-prefeito de Ribeirão Pires, Saulo Benevides (PMDB), está sendo investigado pelo Ministério Público Federal (MPF) por possíveis crimes que teria cometido durante seu governo. Um dos motivos seria por ter descontado a previdência na folha de pagamento dos servidores municipais, mas não ter repassado ao INSS (Instituto Nacional de Seguro Social) e ao IMPRERP (Instituto Municipal de Previdência de Ribeirão Pires). Segundo a Prefeitura de Ribeirão Pires, desde o início da atual gestão está sendo realizado um minucioso levantamento de contratos e questões relacionadas às finanças do município. A partir destas análises foram encontradas irregularidades que resultaram na abertura de processos por aumento de gasto com pessoal em período vedado; utilização de servidores, equipamentos e espaço público em benefício de empresa privada; ação de improbidade pelos restos a pagar deixados pela antiga gestão; ação de improbidade contra Benevides e Assessores por Nepotismo; e pelo não repasse de contribuições ao INSS e IMPRERP.

Diante dessas acusações, entramos em contato com o ex-prefeito para questionar sobre o assunto. Benevides afirmou que não houve desvio, apenas falta de pagamento devido à falta de dinheiro. Segundo ele, na antiga gestão deixada por Clóvis Volpi, havia dívidas, não só da gestão anterior como de outras, então Saulo afirmou ter quitado as passadas, e por isso, ficou sem dinheiro para pagar as atuais, alegou o ex-prefeito.

Benevides ainda afirmou que fez um acordo com o antigo prefeito Clóvis Volpi para negociar a dívida que estava parcelada. “Eu não tinha o dinheiro, então deixei de pagar essas coisas para poder deixar em dia o essencial”, completou.

Continua Após a Publicidade