A Warner Bros está sofrendo mais um processo; desta vez por usurpação de direitos. Apesar de parecer simples, o caso se torna bizarro quando a Justiça Americana determinou que, a única maneira da WB se livrar de pagar a bagatela de 900 milhões de dólares, é provando a existência das entidades malignas relatadas em “Invocação do Mal”, “Annabele” e “Invocação do Mal 2”. Isso mesmo! O caso é muito estranho.

O autor do livro “Demonologistas!, Gerald Brittle, está processando os produtores da empresa. O livro conta a história de Ed e Lorraine Warren, casal de investigadores sobrenaturais relatados nos filmes da Warner. O autor diz que a dupla de caça-fantasmas assinou contrato com ele, cedendo suas histórias com exclusividade vitalícia para que sejam contadas ao longo dos anos, então, a Warner teria infringido esse acordo, usurpando seus direitos e produzindo os filmes.

Porém, os demonologistas assinaram, também com a Warner, em 1997, um contrato cedendo as mesmas histórias, para que sejam produzidos filmes. Para tentar fugir disso, a Warner chegou a alegar que os filmes não eram baseados nos livros ou em fatos reais (coisa que sempre rola nesse tipo de longa), mas sim em fatos históricos.

Com isso, o processo pede agora, que a Warner apresente provas cabais da existência de fantasmas e outros demônios citado nos filmes, por exemplo.

Agora, Brittle espera lucrar, como já mencionado, a singela quantia de 900 milhões de dólares, algo em torno de 3 bilhões de reais, valor um pouco mais alto do que o que foi arrecadado com a bilheteria dos três filmes, que somou “apenas” US$866 milhões.