blank

O Diário de Ribeirão Pires preparava uma matéria especial sobre o aniversário de 63 anos de Emancipação Política e Administrativa da cidade. A ideia, seria discorrer sobre os porquês da cidade ainda sequer engatinhar na exploração do turismo local. Por que Ribeirão Pires não esbanja turismo aquático, ecológico, gastronômico ou educacional?
Em entrevista exclusiva, Marcelo Menato, Secretário de Turismo e Desenvolvimento Econômico, falou a respeito de todos estes pontos e ainda fez um panorama do Turismo. Na pauta da entrevista, figuraram assuntos como revitalizações, reestruturação, manutenção e exploração do potencial natural. A conversa durou pouco menos de 30 minutos e Menato apontou, se não todos, quase tudo aquilo que ele e a atual Administração têm planejado para o desenvolvimento total de Ribeirão Pires. “Focando no turismo sem esquecer do essencial”, foi com essas palavras que o Secretário mencionou, por exemplo, a revitalização das Ruas Stella Bruna Nardelli, Felipe Sabbag, Leonardo Mecca e Av. Fortuna, para transformar a região num grande polo gastronômico, o que a princípio, está sendo chamado por Menato e sua equipe de “Quadrilátero Gastronômico”.

Continua Após a Publicidade

“Pensamos nisso, por que as pessoas que moram aqui acabam não valorizando o comércio gastronômico da cidade. Quem vem de fora, muitas vezes acaba elogiando, mas infelizmente ainda não temos uma identidade para nossos comerciantes. Não queremos padronizar, mas deixar tudo com cara de Ribeirão Pires. Vamos reurbanizar tudo. Vamos instalar fontes, o piso será diferente; uma mudança que vai alterar completamente esse lado do Centro, pois o foco é a gastronomia”.

 – Comentou o responsável pela Pasta.

Ainda há, nos projetos da Pasta e da Administração, o desenvolvimento de um folder promocional para o comércio ainda no primeiro semestre.

“Nós temos que ter uma cara diferente da dos nossos vizinhos. Todas as Culturas terão espaço em nossa cidade, mas a nossa principal característica é o aspecto montanhês, serrano. Vamos dar um ar mais bucólico a cidade”.

 – Comentou

O DiárioRP havia questionado a Secretaria a respeito da exploração das trilhas e mencionou, por exemplo, o Jeep Clube de Ribeirão Pires, segundo o Secretário, um dos mais atuantes do Brasil. A Represa Billings foi comumente citada na entrevista e Marcelo Menato disse que, por enquanto, o único problema que impede a realização de mais atividades no local, é o fato de que o esgoto ainda é jogado lá.

“Precisamos entrar em um acordo com a Sabesp para que o tratamento com a Represa seja diferente, por que jogar esgoto lá atrapalha na sua balneabilidade, mas não são todos os lugares, dá para trabalharmos lá sim”.

Trilhas foram citadas, a possibilidade de exploração do Templo Budista juntamente com o Parque Milton Marinho (o Camping), Parque Pérola da Serra, mais conhecido como Chácara do Prefeito, entre outros pontos também foram discutidos.
Nisso tudo, três itens foram cuidadosamente relatados. O primeiro, o Morro São José que passará por uma revitalização completa. O segundo, o Mirante Santo Antônio que, além de passar pelo mesmo processo de revitalização e recuperação das vias de acesso, receberá também, um mural, da Via Sacra, feito por uma artista local.

“Nós vamos expor esse mural no Mirante, e vamos colocar alguém lá para cuidar deste patrimônio. Vamos fazer diferente, sem exageros, mas com muito carinho pela cidade”.

– Disse Menato.

O Festival do Chocolate também foi assunto na entrevista com o Secretário de Turismo e Desenvolvimento Econômico de Ribeirão Pires, Marcelo Menato, que garantiu a realização do evento, mas de uma maneira mais simples, em apenas dois finais de semana.

“A princípio acontecerá no último final de semana de julho e no primeiro (final de semana) do mês de agosto. Já foi realizado assim em outras épocas e funcionou muito bem”.

– Disse.

Ainda falando sobre o Turismo, Ribeirão Pires, assim como outras 70 cidades, pode perder o Título de Estância Turística se não se adequar ao novo ranking do Estado.

“Esse ranking terá algumas exigências. Ninguém sabe sua atual posição, mas em 2018, as três últimas cidades entre as 70 perderão o título caso não se enquadrem nos termos. Para voltar será bem difícil, pois terão que disputar com 140 cidades que almejam o título, por isso, nosso planejamento é atender a todas as exigências e cultivar a cultura turística em Ribeirão.”

Por isso, Marcelo lembrou a importância do desenvolvimento de um Plano Diretor de Turismo, que será, basicamente, a bússola que guiará os projetos da cidade. O documento está em fase de elaboração e assim que estiver pronto, será entregue às comissões responsáveis para avaliação e posteriormente colocado em prática.