Representantes do partido negam que o fato tenha ocorrido. (Foto: Reprodução(
Representantes do partido negam que o fato tenha ocorrido. (Foto: Reprodução(

Militantes do PT se reuniram na Praça da Bíblia na última quarta-feira, (14), e iniciaram um tumulto assim que foi feito o anúncio, pela Igreja Católica, a respeito do cancelamento de um Debate Eleitoral, que seria realizado no local. Na ocasião, os militantes petistas agrediram fisicamente integrantes da equipe de campanha de Gabriel Maranhão, que estavam “bandeirando” na praça.

O confronto resultou em um boletim de ocorrência de lesão corporal que apresenta as vítimas Raira Cristina de Carvalho e Antonio Rosa dos Santos, que afirmaram estar trabalhando na campanha do PSDB, quando Josemar Melo, representante do PT, teria, sem motivos, dado um soco em Raira e depois empurrado e agredido Antonio com uma baqueta. Os dois foram encaminhados para perícia junto ao Instituto Médico Legal, além de terem suas fichas médicas solicitadas para integrar o inquérito.

Mesmo com um boletim de Ocorrencia aberto e laudo encaminhado ao IML, o Presidente do PT, Erik de Paula, negou as agressões e disse que houve apenas uma discussão acalorada no local.

“Estávamos todos lá. Se tivesse alguma agressão, aquilo teria virado uma guerra.”

– Comentou.

O Debate que aconteceria na sede da Igreja São Sebastião, no Centro de RGS, foi cancelado horas antes, a pedido do Ministério Público que alegou falta de segurança no local. O MP acatou pedido protocolado pela OAB.