Nesta semana começa oficialmente o período de campanha eleitoral para as eleições municipais deste ano. Novas regras foram estipuladas para este ano, como por exemplo o período permitido de campanha, que antes, era de 90 dias, e agora, apenas 45.

Um outro diferencial é que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) autorizou a Pré-campanha este ano. Antes os políticos não podiam se declarar interessados a disputar cargos públicos abertamente, como em programas de televisão, por exemplo, pois corriam o risco de sofrer penalidades por campanha eleitoral antecipada. Já este ano, com a pré-campanha, puderam declarar abertamente o interesse à disputa eleitoral desde que não houvesse o pedido explicito de voto. Além disso, foi possível denunciar problemas da cidade e também sugerir mudanças.

Nas novas regras da campanha eleitoral, existem diversos regulamentos novos que tentam deixar a disputa mais justa para todos, o que na minha opinião pode sim ajudar candidatos com menos recursos financeiros, desde que haja fiscalização forte em cima disso.

Essa fiscalização também deve vir de nós, já que se uma pessoa tenta burlar as regras durante a eleição, seja comprando votos, distribuindo cestas básicas, botijões de Gás ou até mesmo receitas médicas, como já fez a atual vereadora, Cleonice Meira, do PTN, é fato que esses candidatos também tentarão burlar as regras durante seu mandato.

Precisamos de pessoas novas, e não digo necessariamente de idade, mas pessoas que não se utilizem da administração pública e da política em geral como forma de se sustentar financeiramente e/ou no poder.

É necessário que a política seja reciclada, seja mudada. É através da velha política que problemas e descasos, como o caso da CPI da saúde acontecem. Afinal de contas, o presidente da Câmara, José Nelson de Barros (PMDB) já é vereador há 20 anos em nossa cidade. Isto é um absurdo que deve ser mudado imediatamente!