Em pouco mais de trinta dias Ribeirão Pires viveria, se fosse o caso, a expectativa de mais uma edição do Festival do Chocolate. Seria 11ª vez que a cidade promoveria o que já foi um dos maiores festivais de inverno do país. No entanto, julho logo vai começar e a cidade não viu sequer uma faixa falando a respeito. Especulava-se que este ano, por conta da crise, a Prefeitura não organizaria o evento. Para muitos, a atitude do Prefeito Saulo Benevides seria acertada, por conter os gastos da cidade que já tem dívida estimada em 83 milhões de reais, de acordo com as informações passadas pelo Secretário Edernício Turini. Para outra parte, o Festival pode acontecer, mas em um formato diferenciado e com menos custos.

\"CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE\"

Porém, o DiárioRP descobriu, por meio de uma fonte, que na última terça-feira, 28, uma reunião aconteceu no Paço Municipal entre os responsáveis pela organização do Festival do Chocolate, o Prefeito Saulo Benevides e representantes de uma empresa da região. Esta empresa, ainda não identificada, estaria interessada em ser a organizadora da festa, não gerando custos à cidade. Ao que parece, a referida corporação já teria os nomes das atrações, valores a serem cobrados dos interessados nos chalés, por exemplo, entre outras coisas concernentes ao Festival do Chocolate.

Ainda segundo as informações obtidas, o valor a ser cobrado pelo aluguel de um único chalé no Festival poderia chegar à 15 mil reais. Os valores não são oficiais, no entanto o comentário realizado pela fonte do Diário deixa claro o que pode vir a ser o sentimento de frustração dos interessados. “Com valores assim, só para o aluguel de um chalé, o cliente vai pagar oito reais em uma lata de refrigerante; esses valores seriam, com certeza repassados ao consumidor”, comentou.
Entramos em contato com a Prefeitura de Ribeirão Pires, mas não obtivemos respostas.