blank
(Foto: DiárioRP)
(Foto: DiárioRP)

Na Sessão da Câmara dos Vereadores de Ribeirão Pires, a Vice-Prefeita da cidade, Leo Moura (PMB), compareceu à Casa de Leis para pedir aos Parlamentares que votassem contra um projeto de lei que prevê o leilão de uma área pública.

A proposta coloca à venda pelo menos 14 áreas públicas para venda à iniciativa privada, dentre estas, está um terreno no Jardim Guanabara que foi doado em 2014 ao Estado de São Paulo, o que impossibilitaria o leilão.

Continua Após a Publicidade

“Este espaço foi doado para a construção do Centro de Educação Paulista e não pode ser leiloado. Passei em todos os gabinetes para conversar com os Vereadores da cidade sobre este projeto. Nossa cidade e nossas crianças merecem uma educação de qualidade.”

– Alertou Leo.

Em um ofício encaminhado aos Legisladores, a Vice-Prefeita informou que o centro educacional abrigaria até dois mil alunos. O documento ainda diz que o projeto está pronto, faltando apenas o orçamento para que as obras comecem. Leo ainda lembrou que a cidade foi a primeira da região a ser contemplada pelo Governo Estadual com a construção da unidade educacional.

Alguns Vereadores mostraram-se contrários ao projeto por conta de denúncia de irregularidades na venda de áreas na cidades. O assunto gerou debate entre os Parlamentares que falaram sobre as possíveis fraudes que envolvem os terrenos da cidade.

“Por conta de tudo o que estamos vendo, acho que seria melhor, se for possível, desmembrar este projeto e votarmos terreno por terreno.”

– Disse o Parlamentar Gabriel Roncon (PTB). Entretanto, a medida não foi votada na última Assembleia da Casa de Leis por ter sido retirada da ordem do dia.

O vereador Renato Foresto (PT) foi além e também questionou a venda do terreno que abrigava a antiga Rodoviária Municipal.

“O terreno foi comprado por R$ 2 milhões e meio. Meses depois, a pessoa que comprou está vendendo por R$ 6 milhões. Que especulação imobiliária é essa?”

– Questionou o Vereador petista.

Os leilões viraram alternativa para o Executivo Municipal arrecadar mais fundos para combater a crise financeira em que a cidade atravessa. O projeto pode voltar para apreciação dos Legisladores na próxima Sessão da Casa, que deve acontecer na próxima terça-feira (21), às 14h.