Léo pediu que Foresto seja punido. (Foto: Rafael ventura/DiárioRP)
Léo demandou que Foresto seja punido (foto: Rafael Ventura / DiárioRP).

A Secretária de Educação e Vice-Prefeita da cidade, Leonice Moura (PSC), enviou ofício de repúdio à Câmara Municipal, no qual exige a punição do vereador petista Renato Foresto.

A confusão teria começado quando uma criança (de aproximadamente três anos), matriculada na Escola Municipal Maria Gomes do Pilar, supostamente saiu da escola e caminhou – sozinha – de volta para casa.

A mãe denunciou o caso em grupos de discussão na rede social Facebook. No dia do incidente, o porteiro teria saído da portaria da escola para atender a um telefonema. A diretora não se encontrava na escola no dia do ocorrido. A repercussão do incidente chegou até Moura, que afastou a diretora da escola.

Segundo o vereador petista, a mãe de uma aluna chegou a ligar para ele na última terça-feira, muito angustiada, por causa do afastamento da diretora (que trabalhava naquela escola há 12 anos). Foresto, então, afirma ter se oferecido para acompanhar a mãe até a sede da Secretaria de Educação, para mediar a conversa. Ao chegar no prédio, um grupo de professores e pais protestava nos portões. A Secretária, então, teria equivocadamente atribuído a responsabilidade deste protesto à Foresto.

Outro problema, segundo o documento enviado por Moura, é que os professores, em ato de protesto, teriam fechado as portas da escola e se negado a receber alunos. A responsabilidade por essa atitude também teria sido atribuída ao vereador petista.

Para Renato, o ofício é ilógico, já que ele fazia a função de um vereador, que, além de legislar, é fiscalizar:

“Se vocês aceitarem esse pedido, me cassem. Não tem porque eu ficar na Câmara se eu não posso fazer minha função. Eu estou no meu limite. Se é isso mesmo, me cassem.”

– exclamou o vereador.

Outros vereadores colocaram-se em defesa do colega, e também afirmaram sofrer ameaças e represálias de secretários do governo de Saulo Benevides (PMDB):

“Também estou sendo ameaçada por uma comissionada que está dizendo que vai tirar meu cargo. Te desafio! Venha tirar o meu cargo. Em qual lei você se baseia?”

– declarou Cléo Meira (PTN).

Os vereadores também chamaram a atenção para o fato de a criança morar consideravelmente longe da escola, e que seria improvável chegar em casa sozinha, alertando para uma possível fraude nos fatos.

O ofício foi enviado para o setor jurídico da Câmara, mas o Presidente José Nelson (PSD) deu a entender que nenhuma atitude será tomada contra o colega petista.

Procuramos a Prefeitura de Ribeirão Pires, através de sua Secretaria de Comunicação, para se manifestar sobre o caso, mas, até a publicação desta matéria, nossos contatos não foram respondidos.