Servidor levou sacos de feijão para a sessão (foto: Rafael Ventura / DiárioRP).
Servidor levou sacos de feijão para a sessão (foto: Rafael Ventura / DiárioRP).

Na sessão da última quarta-feira, 15, foi aprovado o Projeto de Lei nº 19/2015, que reajusta o salário de servidores públicos da educação.

Na prática, gestores da rede municipal de educação terão um aumento nos salários. Coordenadores pedagógicos passam a receber R$3.372,45; diretores, também R$3,372,45; professores de planejamento, R$4.016,62; já para os supervisores, o novo salário passa também para R$4.016,62.

Os professores, porém, não serão contemplados com o novo aumento, o que gerou protestos por parte deles.

O Projeto de Lei dividiu a categoria: de um lado, funcionários contemplados pelo aumento aplaudiam a iniciativa; de outro, professores indignados protestaram na Câmara:

“Nós não somos contra o aumento deles. Tem que ter, mas nosso protesto é porque estamos desde maio esperando e nada.”

– declarou o professor Luis Rodrigues.

Um dos professores chegou a colocar pacotes de alimentos em cima da bancada, protestando contra a baixa qualidade dos produtos que recebem na cesta básica.

Vereador Rubão teria ironizado o protesto (foto: Rafael Ventura / DiárioRP).
Vereador Rubão teria ironizado o protesto (foto: Rafael Ventura / DiárioRP).

O protesto gerou discussão acalorada, após o vereador Rubens Fernandes da Silva, o Rubão (PMDB), ter feito brincadeiras com um pacote de feijão entregue pelos funcionários públicos. A atitude revoltou os professores que protestavam, foi quando um deles indagou:

“Pô, Rubão, olha por nós!”.

Bastante alterado, o vereador começou a gritar com os protestantes e teve de ser contido por assessores e colegas.

Outros professores da rede municipal, prometem realizar protestos na próxima sexta,17, em frente ao Paço Municipal. Na demanda, exigem reajuste de salário de acordo com o piso, assim como os diretores e coordenadores foram contemplados pela nova lei.

Veja o vídeo da discussão: