Ribeirão Pires comemora 65 anos na próxima terça-feira (19), No entanto, a cidade ainda está em luto com a tragédia que vitimou quatro pessoas da mesma após um deslizamento de terra na Rua Caiçara, no bairro Estância das Rosas, além de vitimar diversas outras famílias devido as fortes chuvas na noite do último domingo (10).

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Carlos Eduardo Fernandes deveria estar comemorando seu aniversário neste mês. Ele completou 22 anos no último sábado (9). Ele morreu, juntamente com seus irmãos Renata Ravelle Fernandes, 35 e Rodrigo Fernandes, 32 e seu primo, Anderson José Pimenta, 33, após a casa em que estavam ser soterrada pela terra. Já Noeme Lopes Fernandes, mãe dos três irmãos, e Gabrielli dos Santos Cordeiro, filha de Renata, foram resgatadas com vida do local. Ao todo, foram contabilizados mais de 10 deslizamentos de terra na cidade. O problema, no entanto, já vem ao longo dos anos. Em janeiro de 2010, um deslizamento de encosta, na rua Anchieta, bairro Bertoldo, soterrou Analice de Oliveira Moreira Santos, 36 anos e suas duas filhas, Ana Lídia, 8 e Ana Santos, 14. Na época, a cidade decretou estado de calamidade pública devido à tragédia. Na mesma rua, no ano passado, outro incidente ocorreu em outra residência, deixando uma mulher e seus três filhos presos dentro de casa. Felizmente, não houve nenhuma vítima fatal.

Os planos de contingência para evitar tragédias como as da noite de domingo são complexos. Em fevereiro deste ano, deslizamentos mataram quatro crianças em Mauá, porém, em documentos feitos a pedido da Prefeitura após a morte de seis pessoas em 2011, mostravam as providências a serem tomadas para evitar novos incidentes como este. No relatório, estavam previstos a construção de muros de arrimos em locais de alto risco ou a realocamento de moradores para outros lugares. No entanto, nenhum dos planos foi cumprido.

No bairro Estância das Rosas, nove imóveis tiveram famílias removidas. Elas estão recebendo suporte de equipes de segurança e assistência social. Esses moradores também estão recebendo alimentação, kits de higiene, vestuário, entre outros itens.
Todas as famílias removidas estão sendo cadastradas no programa social de auxílio moradia. A Administração Municipal, inclusive, trabalha para ampliar o valor pago às famílias – atualmente R$ 400,00. Questionada pela reportagem do DiárioRP, a Prefeitura esclareceu que, para evitar novas tragédias, continuará com os serviços estruturais são realizados de forma permanente, entre os quais limpeza de galerias de captação de águas pluviais, desassoreamento de rios e córregos, poda preventiva de árvores, entre outras ações. Também disse que “irá fortalecer as orientação aos moradores residentes em áreas de risco”.

Nesta semana, o prefeito da cidade, Adler Teixeira – Kiko (PSB), participará de uma reunião com o governador João Dória (PSDB), juntamente com outros prefeitos da região, onde projetos de contenção de riscos em diferentes pontos de Ribeirão Pires serão apresentados.