Postos de RP ficam sem gasolina por conta da greve

Falta de combustível gera filas enormes nos postos (Foto: Leonardo Constantino/DiárioRP)

Na manhã desta quinta-feira (24), os postos de gasolina de Ribeirão Pires puderam sentir os efeitos da greve dos caminhoneiros, já que a gasolina de quase todos os locais acabou. A nossa equipe passou por diversos postos e, em quase todos, o serviço estava indisponível por conta da falta de combustível.

Continua após a publicidade.

Durante a manhã, apenas um posto tinha combustível comum para abastecer os carros e, por isso, filas quilométricas se formaram para garantir a gasolina do resto da semana e também, quem sabe, do final de semana, já que a greve não tem previsão para acabar e o sistema de abastecimento só voltaria ao normal dentro de uma semana, segundo o líder dos caminhoneiros, José da Fonseca Lopes.

Quando nossa equipe parou em um destes para perguntar sobre a gasolina, a situação ainda foi ironizada por alguns frentistas:

“Esse é o Brasil que eu quero! Gasolina barata!”

– Disse um deles, em alusão a comerciais televisivos sobre o Brasil que queremos.

Outro frentista do mesmo posto também alertou que mesmo a gasolina que restava estava “no osso” e que dentro de algumas horas ou até menos, também se esgotaria. Com essas informações, percorremos diversos pontos da cidade para ver se encontrávamos outro posto com gasolina. Um posto na região central continha apenas gasolina podium, e custava R$5,60 o litro.

“Acabou aí?”

– Perguntamos ao frentista mais próximo.

“Aqui a gasolina normal acabou, só tem da podium agora. R$5,60 o litro”

– Respondeu o funcionário.

Sem previsão para reabastecimento

O presidente Michel Temer (MDB) disse, no planalto, que tentaria uma nova “trégua” com os caminhoneiros, após o quarto dia de protesto por conta do aumento no preço do diesel e também da gasolina. A rodovia Anchieta, Índio Tibiriçá e outras, estão paradas ou com tráfego lento. No entanto, o líder, José, disse que só cessaria a greve caso os pedidos fossem atendidos e postados no Diário Oficial da União, como representação legal de que o acordo entrou em vigor.

Outros serviços prejudicados

Em algumas regiões, produtos como botijão de gás e até mesmo pão para lanchonetes, têm faltado. A greve dos caminhoneiros está afetando diversas áreas como um “efeito dominó”. Segundo o líder do movimento, mesmo que a greve cessasse nesta quinta-feira (24), o sistema de reabastecimento demoraria cerca de uma semana para voltar ao normal. Isto é válido tanto para redes alimentícias quanto para postos de combustível, entre outros.

“Se na reunião de hoje, às 14h, o ministro [Eliseu] Padilha [da Casa Civil]e os ministros participantes anunciarem está aqui, o presidente assinou, aí o movimento é suspenso. Não é só do óleo diesel que tem que tirar PIS/Cofins. Tem que tirar dos combustíveis. É o que nós esperamos hoje”

– Disse José, a CBN.

 

Notícias relacionadas