Vereador acusa colega de roubar projeto durante Sessão

Na tarde desta quinta-feira (8), como é sempre de costume, aconteceu mais uma sessão da câmara municipal de Ribeirão Pires. A sessão começou com uma homenagem às mulheres, por conta do dia internacional das mulheres.

Continua após a publicidade.

No entanto a sessão terminou em confusão. Após uma discussão de projeto, o vereador Humberto D’orto, conhecido como amigão (PTC), acusou seu colega de bancada, Archeson Teixeira, o Rato (PTB), de “roubar” seu projeto sobre “Patrulha Maria da Penha” que tem como objetivo de garantir a efetividade  da Lei Maria da Penha na proteção de mulheres contra  a violência doméstica.

O assunto gerou muita discussão entre os dois Vereador, Amigão disse a Archeson que ele estava sendo favorecido por ser sobrinho do atual prefeito da cidade, em relação aos outros vereadores. Já Archeson, rebateu o vereador dizendo que ele recebeu o projeto de um secretário de Mauá, que haveria implantado o mesmo programa na cidade, e passado ao vereador de Ribeirão Pires.

Segundo Amigão, o projeto enviado por ele, já estava no jurídico há bastante tempo, e nesta quinta, Rato lançou o projeto com o mesmo nome e objetivo. “Existe um favorecimento para ele, isso já é óbvio. O que me deixou irritado dessa vez foi que ele nem sabe o que é o projeto, perguntei para ele na Tribuna. Se ele explicasse o projeto, beleza, mas ele nem sabia do que se tratava. Se for necessário falar novamente, vou falar de novo. Não é justo. Já faz mais de um mês que eu apresentei o mesmo projeto para o executivo”.

Procurado por nossa equipe, Rato Teixeira informou que recebeu a proposta do projeto e fez uma indicação por ser o Dia Internacional da Mulher. “Fiz uma indicação por conta do Dia das Mulheres. Foi o secretário de segurança de Mauá que me enviou, eu nem teria como ver um projeto de indicação e muito menos protocolaria junto com o dele. De qualquer forma, o importante é que a lei entre em vigor, seja no meu nome, no dele o de qualquer outro. Vai ser bom para a cidade. O importante é que aconteça”.

Notícias relacionadas