O trabalho em uma Unidade de Pronto Atendimento é, no máximo da palavra, por amor. São centenas de pessoas entrando e saindo todos os dias que, além dos problemas físicos, levam até uma UPA, ou UBS, seus problemas emocionais. Pensando nisso, a Secretaria de Saúde de Rio Grande da Serra implantou um sistema de humanização na recém inaugurada UPA da cidade.

Sob a batuta de Rebecca Cruvinel, quiroprata de formação, mas com experiência em trabalhos voluntários de humanização, o atendimento da Unidade de Saúde tem recebido inúmeros elogios dos moradores da cidade. O pai de Rebecca é fundador de Organização Não Governamental (ONG) e isso possibilitou a jovem aprender a lidar com tantas pessoas diferentes.

“A ideia é tratar o paciente como um todo; uma pessoa que, além do físico, também precisa de apoio emocional, psicológico. Isso facilita e completa o tratamento médico.”

– Comentou.

Um fato curioso, é que o sistema de Rio Grande da Serra, a princípio, parece ser algo obrigatório em qualquer unidade da UPA instalada em qualquer que seja a cidade. No entanto, segundo a responsável pelo sistema de humanização, isso foi uma iniciativa da própria Administração. “Foi percebido que os pacientes precisam ser tratados como pessoas e não como números. Eles precisam de orientação além da medicina. Nós, além de trabalharmos com esse apoio, também temos um serviço de assistência social que garante outros benefícios aos pacientes e usuários da UPA aqui em Rio Grande da Serra”,

– Disse Cruvinel, enfatizando, por exemplo, que a intenção é expandir o modo de atendimento humanizado.

“Pensamos em tentar uma parceria com os Doutores da Alegria, um projeto muito bacana que só tem a trazer benefícios aos usuários”, finalizou.