A Saúde de Ribeirão Pires vem enfrentando inúmeros problemas há algum tempo, e a falta de pagamento dos funcionários, que deveria ser realizado pela Santa Casa de Ribeirão Pires, é um dos principais fatores causadores destes problemas.

\"CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE\"

Segundo denúncias feitas ao Diário de Ribeirão Pires, funcionários da UPA estariam tendi dificuldades para trabalhar por não terem recebido o pagamento. Alguns deles não tinham dinheiro nem para a passagem do ônibus.

No fim de semana passado, por exemplo, a UPA teria ficado com quadro médico reduzido, com menos de cinco profissionais, o que descumpre ordem judicial a respeito justamente sobre esse assunto. Segundo a determinação, a Prefeitura e a Santa Casa devem manter o quadro cheio, com cinco médicos atendendo durante todo o tempo.

Os funcionários que procuraram pelo DiárioRP, informaram, por exemplo, que foram feitas ameaças referentes às reclamações.

“Eles diziam que não havia previsão para o pagamento, e que se nós fizéssemos qualquer reclamação, seríamos demitidos.”

 – Disse o funcionário.

Em contato com a Prefeitura de Ribeirão Pires informou apenas que a “situação já foi normalizada”.

UPA teria problemas com leitos ocupados

Outro problema na Unidade de Pronto Atendimento é em relação a uma suposta falta de leitos para atendimentos de emergência. Um comunicado teria sido fixado no mural da UPA, informando que, por falta destes leitos os atendimentos de emergência teriam que ser desviados para outras unidades da região.

A Administração Municipal desmentiu a informação ratificando que a essência da Unidade de Saúde é justamente atender casos de emergência, e que os leitos estão separados para isso.

“Em casos de internação, os pacientes são transferidos para outra unidade de saúde, já que a UPA atende apenas urgência e emergência, não sendo possível haver a indisponibilidade de leitos”.

 – Defendeu a Prefeitura.