Por Rafael Ventura

 

Hospital São Lucas (Rafael Ventura/Portal Terra)
Hospital São Lucas (Foto: Rafael Ventura/Portal Terra)

Na próxima segunda-feira, dia 12, a maternidade São Lucas, que atende no centro de Ribeirão Pires, será fechada para a conclusão de reformas, que, inclusive, já estão em andamento.

Mesmo sem a necessidade de interdição, a partir da próxima semana, as gestantes deverão procurar o Hospital Nardini, que é referência na região, ou algum outro de preferência.

Segundo a Prefeitura, a reforma busca manter a maternidade sempre adequada para atender o programa Rede Cegonha, do Governo Federal, que pretende, dentre outros aspectos, assegurar às mulheres o direito ao planejamento reprodutivo e a atenção humanizada à gravidez, como assegurar às crianças o direito ao nascimento seguro e ao crescimento e desenvolvimento saudáveis.

Ainda segundo a nota, o valor total do investimento nas obras é de R$ 249.979,85 (duzentos e quarenta e nove mil, novecentos e setenta e nove reais, e oitenta e cinco centavos) de recursos do Ministério da Saúde.

A previsão de conclusão das obras é para o final de janeiro, quando a maternidade será reaberta.

O Hospital Doutor Radamés Nardini atende na Rua Regente Feijó, 166, na Vila Bocaina, em Mauá, próximo ao Supermercado Baronesa.

 

Caos na Saúde

Já são antigas as reclamações envolvendo o sistema de saúde da cidade: em 2012, lixo hospitalar (como seringas e gases usadas) foi encontrado jogado pela calçada e no lixo comum da maternidade.

Em novembro do ano passado, os médicos que atendem a rede municipal entraram em greve, e só voltaram após negociação com o Prefeito Saulo Benevides.

Além da greve, várias reclamações são publicadas diariamente na Internet, como vídeos de brigas, denúncias das péssimas condições de higiene, entre outros.

Também em novembro, Lair Moura assumiu a Secretaria de Saúde e, durante uma reunião do Conselho Municipal de Saúde, formado por munícipes de Ribeirão Pires, admitiu que a saúde estava em um momento ruim. Ainda nessa reunião, a gestão atual foi acusada de passar por cima da autoridade do Conselho e realizar diversas compras sem o consenso dos Conselheiros.