Este ano, Ribeirão Pires comemora seu 64º aniversário político administrativo, e a cada dia que passa,mais e mais pessoas vêm à estância e não querem mais sair.

O Diário de Ribeirão Pires foi atrás de algumas dessas histórias de pessoas, que mesmo com todos os problemas da cidade, assim como qualquer outra, nunca quiseram sair daqui porque enxergam as belezas e virtudes acima de qualquer coisa, como é o caso do Padre João Roque Lorenzato, que há mais de 12 anos, vive na cidade e já é figura
marcante, e como ele mesmo diz, realiza uma missão na cidade.

Natural de Guaporé, Rio Grande do Sul, e aos 90 anos de idade, o missionário da Igreja Matriz já morou no Rio de Janeiro, Cuiabá, Curitiba, São Paulo, São Bernardo do Campo e em diversos outros lugares antes de chegar à estância, e decidir ficar de vez. Atualmente, o missionário atende pessoas doentes, que querem se confessar, entre diversos outros desafios que lhe são atribuídos; e afirma que não tem nenhuma intensão de
deixar a cidade.

Outra moradora ilustre é Maria Aparecida Leite Pinto, popularmente conhecida como “Maria Chinesa”. Nasceu no dia 12 de julho de 1946, em Redenção da Serra, no interior paulista, mas não ficou muito tempo por lá. Acompanhada dos pais, mudou-se para Ribeirão Pires em 1952, quando tinha seis anos de idade e foi morar no bairro da Santa Clara, em frente da antiga “Pedreira Conceição”, Sua família foi uma das pioneiras do bairro. “Naquela época moravam ali por perto quem trabalhava na Pedreira, porém a situação era difícil. Quando me mudei não existia energia elétrica, foi chegar luz só depois de muitos anos”.

Para ajudar em casa, começou a trabalhar  aos 14 anos na multinacional “Costanta”. Um pouco mais velha, foi trabalhar como doméstica. Em 63, aos 17 anos, conheceu José Flauzino Leite, que em três meses se tornou seu marido. Nessa época, Maria Chinesa trabalhava como autônoma, e fazia salgados e doces para, junto com seu marido, sustentar a casa.

Hoje, com 72 anos, espera que Ribeirão Pires continue crescendo, principalmente nas áreas de educação e saúde, e que a cidade continue sendo maravilhosa como, segundo ela, sempre foi.