Câmara rejeita cobrança da taxa de lixo em RP

Na manhã desta segunda-feira (04), os vereadores de Ribeirão Pires se reuniram em uma Sessão Extraordinária para votação de três projetos. Dentre eles, constava a votação do Projeto sobre a instituição e cobrança da Taxa de Coleta, Remoção, Tratamento e Destinação do Lixo Domiciliar, caso que gerou repercussão nas redes sociais durante todo o final de semana.

Com lotação máxima na Câmara Municipal, vereadores como Amigão D’orto (PTC), Rubens Fernandes (PSD) e Rogério do Açougue (PSB) foram até a tribuna para discorrerem sobre as opiniões e justificar seus votos.

Amigão ressaltou que entendia o momento financeiro que a cidade vivia mas que, apesar disso, não era momento para que fosse criada uma taxa de lixo: “A população não pode pagar por isso, o Executivo está vivendo uma outra realidade. Sou contra a taxa, assim como muitos vereadores”, disse o parlamentar.

Já Rogério, base de governo, ressaltou que foi eleito com a intenção de defender o povo e assim o faria: “Apesar de ser base do atual governo, terei que votar a favor da população nesse projeto. Defendo 121 mil pessoas, acho que preciso ser revisto (o projeto), precisamos começar a pensar em coleta seletiva, assim, diminuímos as toneladas e consequentemente pagamos menos.”

Por conseguinte, na hora da votação, os 17 parlamentares se colocaram contrários ao projeto de lei, decisão muito comemorada por todos os presentes.

O executivo alegava que a implementação da taxa iria render aproximadamente 7 milhões de reais para a cidade. O paço afirmou anteriormente que a cobrança não ultrapassaria R$ 1,75 por metro quadrado.

Notícias relacionadas