Foto: Reprodução

Na última quinta-feira (8), foi protocolado o pedido de impeachment do prefeito de Rio Grande da Serra, Gabriel Maranhão (PSDB). O pedido partiu de um grupo de 30 pessoas da sociedade civil, dentre eles mecânicos, aposentados e a advogada Andreína Lisbeth de Aleixo Bravo, que afirmou que a solicitação foi feita para a apuração de denúncias.

O pedido foi feito em vista de três denúncias, a primeira consta o desrespeito às normas e leis de segurança e irregularidades nos prédios públicos, e na licitação da Etec. A advogada afirmou que existem na cidade prédios públicos abandonados com extintores de incêndio vencidos, além dos problemas estruturais da escola que ameaçam a vida dos estudantes e pessoas que ali transitam.

A segunda consta a deficiência na saúde da cidade, já que existe uma constante falta de médicos em diversas unidades dos postos de atendimento, o salário em atraso daqueles que estão trabalhando, a falta de medicamentos e recursos para o tratamento dos pacientes como medicamentos para a realização das inalações, bisturis, agulhas, desfibrilador, dentre outras irregularidades.

A terceira consta o desrespeito da Lei da Transparência, o prefeito não tem divulgado de forma adequada as suas receitas, contas e gastos, infringindo então a lei.

Andreína ainda afirmou que antes desse processo, eles tentaram conversar amigavelmente com a prefeitura, porém não obtiveram resposta. “O objetivo até agora é saber a posição da Câmara Municipal diante disso e gostaria de ressaltar mais uma vez que não se trata de movimento político-partidário, somos antes de tudo eleitores que querem mudanças”, afirmou.

A prefeitura não retornou nenhum de nossos contatos.