Seu Lucilio desmatou e represou em área pública. Foto: Ygor_Andrade/DiárioRP
Seu Lucilio desmatou e represou em área pública. Foto: Ygor_Andrade/DiárioRP

Na semana passada o vereador Renato Foresto (PT) denunciou na Câmara Municipal, que o senhor Francisco Lucilio do Nascimento, ex-presidente do PMDB de Ribeirão Pires, teria cometido vários crimes ambientais em um terreno que faz fundo à sua propriedade. O local, teoricamente, teria que ser a continuação da Rua Nicolau Moyses Dib, no bairro do Bosque Santana, no entanto, apesar de constar como rua, o lugar permanecia em mata fechada até que “Seu Lucilio”, como é conhecido, teria arrancado inúmeras árvores, capinado e plantado alguns alimentos como milho e mandioca.
No local Lucilio confessou que limpou o terreno para “evitar que joguem lixo e para preservar a mata”. Entretanto, uma vizinha disse que “lá, ninguém nunca jogou lixo”. Além das árvores arrancadas e queimadas, o denunciado também represou um córrego e disse que “servirá para regar a plantação logo acima no terreno”.

“Vou usar essas bombas para levar água e regar as plantas.”

– Disse, e ainda teria comentado que entrou em contato com a Secretaria de Meio Ambiente para tentar regularizar sua situação.

Foresto também esteve no local e disse que “não estava tão “limpo” da última vez que havia visitado”.

“Ele fez muito mais coisas; limpou, represou, plantou. Crime atrás de crime.”

– Comentou.

Lucilio ainda teria construído um barracão, uma escada para acesso à parte desmatada com a ajuda de uma pessoa, que em vídeo gravado pelo petista, confirmou “estar trabalhando para o Lucilio”.

Em contato com a Prefeitura de Ribeirão Pires, o DiárioRP foi informado que a Administração só obteve conhecimento do fato depois de ter sido contatada pela nossa equipe e que as penalidades serão aplicadas, existindo irregularidades, ao infrator, seja de qual partido for. No entanto, em 2015, Foresto já havia encaminhado a denúncia aos setores responsáveis da Administração Municipal e, segundo o parlamentar, foi ignorado não recebendo resposta para seu requerimento.

Procurada por nossa equipe, a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB) disse que,

“apesar dos problemas citados serem de responsabilidade da Prefeitura, a Coordenadoria de Fiscalização Ambiental (CFA) localizou uma área com supressão de vegetação em local próximo às ruas mencionadas, e que a Polícia Militar Ambiental já foi informada para tomar as providências cabíveis”.